Saúde mental em tempos de pandemia: como está a sua?
9 abril 2020 - Ana Hoffmann

Nesse contexto de quarentena, nossas vidas profissional e pessoal estão cada vez mais misturadas. Por isso, é importante ficar atento a novas sensações que podem surgir ou aumentar com o isolamento e adequar a rotina para cuidar melhor da sua saúde mental.

Saúde mental em tempos de pandemia

É bem sabido que a vida contemporânea, com seu ritmo cada vez mais frenético, exige que façamos o máximo com o mínimo de tempo e recursos possíveis. Quando esse fluxo é interrompido por conta de isolamento forçado, transferindo todo movimento e a velocidade constante de um cotidiano para dentro de casa, nos vemos reinventando as nossas relações: conosco, com nossos familiares, projetos, mas principalmente, com o nosso trabalho. Diante desse cenário conturbado e incerto, nos perguntamos: como está a sua saúde mental?

Durante o dia, basta abrir um jornal para ouvir alguma notícia sobre as consequências de uma pandemia mundial. As relações políticas e sociais estão desequilibradas e desumanizadas, e a resposta da natureza é forte em meio à crise. Não é fácil fechar uma aba, abrir outra para apenas focar no trabalho sem qualquer dispersão. O ambiente não é o mesmo, mas as demandas e prazos acirrados são impiedosos por atropelarem os passos rumo a um corpo e mente equilibrados. 

Se antes o ritmo ocupacional incessante fazia do estresse, depressão, ansiedade e burnout consequências já esperadas, em tempos de pandemia, suas ocorrências tendem a ser maiores. De 30%, que segundo a OMS, é a quantidade de trabalhadores acometidos por algum transtorno mental, para qual número iremos se continuarmos nos impondo rotinas robóticas de eficiência e produção?

Como cuidar da saúde mental e corporal, conciliando com o trabalho remoto?

Todos estamos vivendo períodos difíceis. Então, em uma crise, ninguém está isento dos impactos e consequências. Uns estão mais suscetíveis, outros estão menos. E o isolamento social não significa um isolamento de impressões e sensações. Elas estão conectadas. Diante disso, se as nossas relações estão mudando e eu faço parte dessa sociedade que vive em comunidade, podemos nos questionar: que ponto sou eu na minha rede e, principalmente, no meu trabalho?

Este é o momento de ficarmos atentos aos nossos sinais internos, observarmos o compasso da nossa respiração e da batida do nosso coração, avaliarmos nossa qualidade de sono e de concentração, além de variação de humores. É importante nos compreendermos, nos acolhermos e buscarmos, estabelecer rotinas que nos façam bem, sem culpas ou imposições.

Por isso, saiba o momento de se desligar e também de produzir. Tente criar rituais de trabalho com horário para começar e terminar tarefas, incluindo intervalos do almoço, do lanche e até do bate papo com o colega do lado, como você fazia no escritório, só que agora online. Não exagere no noticiário e no café. Prefira consumir frutas, sucos e chás. Se possível, comece ou termine o dia com alguma prática de exercício físico que você goste mais e que dê para fazer em casa, nem que seja se alongar bastante ou ligar o som e dançar.

Para pôr em prática

Aproveite para lavar a louça ouvindo um podcast ou para incluir bons livros, filmes e séries naquele momento de relaxar, após um dia mais puxado. Uma outra dica é abrir alguns minutos na sua agenda para práticas de mindfulness, proponha happy hours online com seu grupo mais chegado e explore suas paixões. Aqui disponibilizamos algumas dicas de ferramentas super legais que podem te ajudar a se manter conectado com você mesmo e com os outros! 

Neste período, procure cultivar pensamentos positivos, conversar com pessoas que você quer bem, dar valor aos pequenos privilégios que você tem e às boas notícias. Diminuir o ritmo num dia e retomar no outro é algo totalmente aceitável. Se já faz terapia, continue com as sessões online. Caso sinta necessidade, é uma boa hora para começar a cuidar da sua saúde mental com um profissional, então entre em contato com um psicólogo que atenda pela internet, há vários disponíveis. 

No dia a dia de trabalho, seja sincero com relação aos seus prazos e aproveite para se abrir com o seu gestor. Mantenha o diálogo e a conexão virtual com o seu líder e com o seu time, pois eles devem ser o seu ponto de apoio. Mas, acima de tudo, não tenha receio de ser vulnerável. Tudo bem não estar bem agora. Essa atitude corajosa e honesta é a chave para estabelecer relações e ambientes realmente saudáveis – e, consequentemente,  produtivos, durante a crise e depois dela também. 

Por: Luiza Haubert, Júlia Biscoli e Laura Manchein.