Comunidade vibrante:  Leonardo Sobral e o Projeto Cauã!
3 abril 2020 - Ana Hoffmann

Venha conhecer o Projeto Cauã!

Cada criança é um mundo a ser formado e experimentado. E essa é uma das redescobertas que os pais fazem ao se deparar com o autismo em seu núcleo familiar. 

O início do Projeto Cauã

Leonardo Sobral, membro do Impact Hub Floripa, teve sua vida transformada após o filho, Cauã, ser diagnosticado com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Entre filas da clínica e a procura por informações, ele desenvolveu um software que auxilia na avaliação, desenvolvimento e acompanhamento de crianças e adolescentes dentro do TEA. O que, até então, era apenas um programa, acaba virando diversos produtos fruto das experiências pessoais e de uma comunidade ativa de familiares e profissionais para oferecer uma melhor qualidade de vida para esses jovens, conhecido como Projeto Cauã.

E quem é o Cauã? Cauã é uma criança muito inteligente, com muitas habilidades de desenho e que, aos cinco anos, já está no processo de alfabetização por já conhecer letras e números. Porém, isto não foi fácil. Quando tinha um ano e meio, ele foi diagnosticado no espectro do autismo, que consiste em um conjunto de características de comportamento, comunicação e aprendizagem. Ele focava muito nos brinquedos, tinha muita dificuldades social, de comunicação com coisas simples, como pedir água. 

Sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Anos atrás, consideravam-se autistas crianças que não se comunicam verbalmente, eram isoladas, tinham grande distanciamento social (não só de pessoas estranhas, mas também pais e familiares) e, principalmente, dependentes. Essa seria a figura clássica de um autista. Atualmente, a síndrome é vista como Transtorno do Espectro Autista (TEA). E o diagnóstico precoce é essencial para a busca de atendimento especializado, início das intervenções e do melhor prognóstico. 

“É importante procurar as terapias adequadas o quanto antes, porque o sistema nervoso poderá responder aos estímulos rapidamente”, explica o neurologista infantil Antônio Carlos de Faria, do Hospital Pequeno Príncipe (PR), em matéria publicada na Revista Crescer

Virando a chave

Leonardo e a esposa pesquisaram, entraram em contato com vários profissionais, e encontraram um método cujas intervenções eram mais naturais. A partir daí fizeram cursos, iniciaram atendimentos e viram Cauã evoluir em diversos pontos. Foi neste momento que o pai começou a desenvolver um software que pudesse facilitar diagnósticos, o qual até então era baseado em um questionário complicado e demorado de ser respondido. 

“Eu tive a ideia de dividir o questionário em 10 áreas, para que fossem preenchidas em menos de 10 minutos cada. Assim os pais podem fazer em algum tempo no dia a dia, como na fila do banco, por exemplo”, contou. 

Buscando licenciamento, Leonardo chocou-se com uma proposta de um pesquisador que morava no Canadá de desenvolver um sistema para controlar de ponta a ponta o tratamento das crianças, da avaliação ao acompanhamento diário. Hoje, o sistema atende 1.600 crianças e controla desde a avaliação, a criação do plano de intervenção e também a coleta diária e análise dos dados para compreensão da evolução da crianças de acordo com os objetivos dados a ela.

Outras iniciativas

Compreendendo outras necessidades da comunidade de pais, com crianças de espectro autista, Leonardo acabou desenvolvendo outros produtos para o Projeto Cauã. Conheça alguns deles: 

  • A Tum Tum é um clube de brinquedos, que tem o objetivo de oferecer ferramentas desenvolvimento infantil, além de ser um potencial criador de vínculos entre pais e filhos;
  • O Let’s Get Aut, um aplicativo para ajudar os pais de crianças com deficiência a escolherem lugares bons e acolhedores para levarem seus filhos; 
  • A Comunicar, é um Aplicativo de Comunicação Alternativa e Aumentativa (CAA), que apoia a comunicação em todas as áreas da vida. 

Por mais pessoas com o poder de transformação do Leonardo nesse mundo.

Conheça o Projeto Cauã em: https://projetocaua.org/